Skip to main content

A Quaresma deste Ano Jubilar deve ser "um tempo favorável para todos poderem, finalmente, sair da própria alienação existencial, graças à escuta da Palavra e às obras de misericórdia".

Querido Pai, desperta os jovens da sonolência, do comodismo e da indiferença; continua a chamar, de dia e de noite, muitos jovens para que a tua boa nova seja anunciada, para que o amor reine na vida das pessoas, para que a justiça e paz vençam a guerra e a indiferença.

A quaresma ajuda-nos a reequacionar esta fé e estimula-nos a pô-la em prática; mais do que decorar a doutrina dos mandamentos, é a sua prática que nos salvará.

Talvez por entender que o mundo se encontra neste caminho incerto, destrutivo, desinteressante e desesperançado, o Papa Francisco tenha proposto para este ano o Jubileu da Misericórdia.

Fevereiro Missionário

Ao concluir o Ano da Vida Consagrada, o P. Pedro Fernandes fala-nos desta forma de seguir Jesus que caracteriza a nossa vida e missão

Jornal Ação Missionária

O tema de capa de Fevereiro é a Nigéria. O P. José Manuel visitou uma das quatro províncias em que se organiza o país com mais espiritanos no mundo, e fala-nos da vitalidade da sua Igreja.

Mas 'Ação Missionária' não fica por aí, e fala-nos da missão em Angola, Paraguai, Bolívia, Portugal...

Missão com Misericórdia e Ecologia Integral

"A vocação à Vida Consagrada significa ser chamado a experimentar e mostrar que Deus é capaz de preencher o nosso coração e fazer-nos felizes sem necessidade de procurar noutro lugar a nossa felicidade".

Almanaque das Missões

Iniciámos o mês de fevereiro. É o mês dos Consagrados e é também um mês forte para os espiritanos, pois recordamos Francisco Libermann e Daniel Brottier.

Pode ler o Almanaque das Missões também aqui no nosso site, em formato pdf.

«Benvindo, em nome de Jesus Cristo». Foi ao som desta música que o P. José Sabença foi acolhido nas várias comunidades que visitou no Sudoeste da Nigéria. É um caso único no mundo espiritano: existem...

Não devemos viver a nossa vida a prestações ou a meio gás, temos de a viver com o máximo de entusiasmo e de compromisso para uma sociedade que se possa transformar.

Vencedora do Prémio Pulitzer em 2009, esta é uma peça à qual não ficamos indiferentes: obriga-nos a sentir o pulsar da mulher refugiada que sofre mas que luta com todas as suas forças e das quais tanto ouvimos falar pelos mares que atravessa.

Reflexão para o 5º Domingo do Tempo Comum